Jorge Martins Cardoso

 

Um eterno aprendiz



Textos

A LIBERDADE... A ARTE... A VERDADE... A VONTADE... "Não existem doenças. Existe doentes. Alfabeto, Jogo, Música, Números e DEUS". (1ª parte).






A LIBERDADE... A ARTE... A VERDADE... A VONTADE... “Não existem doenças. Existem doentes. Alfabeto, Jogo, Música, Números e DEUS”. (1ª parte).



Observações iniciais:


     1ª - O presente “artigo” é dedicado à Poetisa Bebel Lima, à cantora Vanusa Flores à Poetisa Cinthya Fraga e a todas as pessoas que estão temporariamente TRISTES.
    
     2ª – Estou em débito com muitos leitores sobre: - “As Batalhas do Dr. Luiz Moura”, “Ideologia de Gênero” – 22ª parte, “Teoria da Conspiração”, “A Misteriosa AIDS”, “Retrospectiva + Narcotráfico + IURD” - XII parte, “Brigitte + Bikini + Biquínis + Petróleo + Carrões + Tremores + Temores” – 5ª parte, etc., etc., e etc. Todos os temas serão concluídos no momento oportuno. O problema é que enquanto a “Aldeia Global” quer me engolir, eu quero engolir o Planeta Terra. ENGOLIR demais pode causar uma BRUTA duma INDIGESTÃO. Eu sou da PREVENÇÃO...  
    
     3ª – O presente texto é baseado em muitos FATOS REAIS. Entrementes, contém uma dose muita diminuta de HOMEOPATIA, de ficção científica, e, uma dose HOMEOPÁTICA ainda menor, de imaginação.  
    
     4ª – Gostaria de poder concluí-lo em duas ou três partes no máximo. Não sei o que irá acontecer.
    
    



É PRECISO SABER VIVER – 1º ATO.
    
  
                


O número 1.




RAUL SEIXAS - TENTE OUTRA VEZ.



     VEJA! / Não diga que a CANÇÃO / Está perdida.
Tenha FÉ em DEUS / Tenha FÉ na VIDA / TENTE OUTRA VEZ!
     Beba! (beba!) / Pois a ÁGUA VIVA / Ainda tá na FONTE / (TENTE OUTRA VEZ!).
VOCÊ tem dois pés / Para cruzar a PONTE / Nada acabou!
     Não! Não! Não! / Oh! Oh! Oh! Oh!
TENTE! / Levante sua MÃO sedenta / E recomece a ANDAR.
     Não pense / Que a CABEÇA agüenta / Se VOCÊ PARAR.
Não! Não! Não! / Não! Não! Não!
     Há uma VOZ que CANTA / Uma VOZ que DANÇA / Uma VOZ que GIRA / (gira!)
BAILANDO no AR / Uh! Uh! Uh!
     QUEIRA! (queira!).
Basta ser SINCERO / E DESEJAR PROFUNDO.
     VOCÊ será CAPAZ / De SACUDIR o MUNDO.
VAI! / TENTE OUTRA VEZ!
     Humrum!
TENTE! (tente!) / E não diga / Que a VITÓRIA está perdida.
     Se é de BATALHAS / Que se VIVE a VIDA / Han! / TENTE OUTRA VEZ!



    
     Como surgiu o número 1?
     Um belo dia DEUS estava conversando com ele mesmo. Pensando e conversando. Dizem lá na TERRA que eu sou ÚNICO. Pois bem. Pois muito bem. Vou CRIAR os números. Como eu sou ÚNICO vou CRIAR o número 1.        
     Como eu nasci há 10.000 anos (atrás) vou apresentá-lo ao MUNDO através de uma MÚSICA. Então ele escolheu a MÚSICA acima para divulgar a sua nova CRIAÇÃO. E, assim, foi CRIADO o número 1. Para todo o UNIVERSO. Ao número 1 foi recomendado residir na TERRA. Um pedido de DEUS. E assim ocorreu.
     Depois de muito tempo o número 1 começou a ficar TRISTE. Olhava para um lado e não via nada. Olhava pra outro lado e não enxergava ninguém. Olhava para o chão, não avistava nada e não ouvia nenhuma voz. SÓ SOLIDÃO!
     Decidiu então olhar para cima (para o CÉU), e, falar com o seu CRIADOR, no caso DEUS.
     O número 1 disse a DEUS:
     - Estou triste por que vivo SÓ! O SENHOR pode me ajudar? Eu QUERO uma AMIZADE, uma COMPANHIA para poder CONVERSAR.
     - DEUS respondeu: - POSSO. DEUS disse que podia, mas não disse como faria. Ficou pensando...  
- Sem falar nada, mentalmente, DEUS CRIOU o número 2. A conversa de DEUS com o número 1 foi no CÉU.
     - DEUS disse para o número 1. Volte pra TERRA que eu estou muito que fazer. Mandarei uma mensagem. A mensagem DIVINA nunca foi remetida.  
  
      
      
      



O número 2.





ZÉ GERALDO – CIDADÃO.





     Tá VENDO aquele EDIFÍCIO, moço? / AJUDEI a LEVANTAR.
Foi um TEMPO de aflição / Eram quatro condução / Duas pra ir, duas pra voltar.
     HOJE depois dele PRONTO / OLHO pra CIMA e fico tonto / Mas me vem um CIDADÃO / E me diz, desconfiado.
Tu tá aí ADMIRADO / Ou tá querendo roubar?
     Meu DOMINGO tá perdido / Vou pra CASA entristecido / Dá VONTADE de beber.
E pra aumentar meu tédio / Eu nem posso OLHAR pro PRÉDIO / Que eu AJUDEI a FAZER.




     Tá VENDO aquele COLÉGIO, moço? / Eu também TRABALHEI LÁ.
Lá eu QUASE me arrebento / Fiz a massa, pus cimento /AJUDEI a rebocar.
     Minha FILHA INOCENTE / Vem pra mim toda CONTENTE/ PAI, vou me MATRICULAR.
Mas me diz um CIDADÃO/ CRIANÇA de pé no CHÃO / Aqui não pode ESTUDAR.
     Essa dor doeu mais FORTE / Por que é que eu deixei o NORTE?
Eu me pus a me DIZER / Lá a seca castigava / Mas o pouco que eu PLANTAVA / Tinha DIREITO a COMER.



     Tá VENDO aquela IGREJA, moço? /Onde o PADRE diz AMÉM.
Pus o SINO e o BADALO / Enchi minha MÃO de calo / LÁ eu TRABALHEI também.
     Lá foi que valeu a pena / Tem QUERMESSE, tem NOVENA / E o PADRE me deixa ENTRAR.
Foi lá que CRISTO me disse /Rapaz deixe de TOLICE / Não se deixe amedrontar.
     Fui EU quem CRIOU a TERRA / Enchi o RIO, fiz a SERRA / Não deixei nada faltar.
HOJE o HOMEM criou ASAS / E na maioria das CASAS / Eu também não posso ENTRAR.
     Fui EU quem CRIOU a TERRA / Enchi o RIO, fiz a SERRA / Não deixei nada faltar.
HOJE o HOMEM criou ASAS / E na maioria das CASAS / Eu também não posso ENTRAR.





     Subitamente e misteriosamente, depois de alguns dias, surge na TERRA o número 2. Quando o número 1 viu o número 2, pensou assim: - Não parece comigo, só que é um pouco mais alto (coisa de milímetros).
     Logo os dois se entenderam. Durante muito tempo o número 1 conviveu com o número 2 (o número 2 também se apresentou MUSICALMENTE conforme consta acima. Acho que a mando de DEUS, mas, não tenho certeza) harmoniosamente.
     Conversavam muito, trabalhavam muito, sorriam bastante, enfim eram felizes. E não sabiam... Podemos quase afirmar que era um PAR perfeito. Uma espécie de “casal” perfeito. Melhor dizendo uma espécie de casal vinte.
     Acontece que num desses dias infelizes ou tristes o número 2 começou a humilhar o número 1. A coisa aconteceu mais ou menos assim:
     ...Numa manhã chuvosa e friorenta, (neste dia o SOL não apareceu) logo cedo, o número 1 disse ao número 2.  
     - BOM DIA número 2.
     - O número 2 respondeu ao número 1: - Bom dia coisa nenhuma. O SOL não apareceu e eu estou achando que você número 1, é o culpado por isso.
    - E tem mais. Não quero conversar, pois você é mais fraco do que eu. E vou provar.
     - O número 1 perguntou ao número 2: - Como assim?  
     - O número 2 disse: - Se eu me dividir, eu sou igual a você, pois o número 2 dividido pelo número 2 é igual ao número 1. (realmente 2 dividido por 2 = 1).
     - O número 2 continuou raivosamente. E tem ainda mais. Você é tão fraco número 1, que, para você ser igual a mim, é preciso que o número 1 seja somado a outro número 1, para chegar ao número 2. Portanto, para ser igual a mim, você tem pouca areia para o meu caminhão! Você não passa de um pirralho. A conversa entre o número 1 com o número 2, foi demorada, e cada vez mais humilhante, a ponto do número 1 chorar.
     - Sai da frente pirralho! Hoje vou sair só. E só volto amanhã, ou depois de amanhã, disse o número 2 fulo da vida.  
     O número 1 ficou sozinho e TRISTE. Depois de alguns minutos o número 1 pensou: - Vou falar com DEUS, pois foi ele quem me CRIOU e também deve ter CRIADO o número 2. O número 1 apenas desconfiava, porém, não tinha certeza se DEUS tinha CRIADO o número 2.    
   Mais uma vez, o número 1 olhou para cima (para o CÉU) em busca de DEUS e rezou alto: - “DEUS estou precisando da sua ajuda novamente”.
     DEUS chamou o número 1 para conversar com ELE lá no CÉU mais uma vez. O número 1 contou a ELE o entrevero acontecido com o número 2.
     DEUS disse para o número 1. Vou CRIAR um número parecido com você. Como assim SENHOR? - Perguntou perplexo o número 1.
     Fácil. Vou somar você com ele. Vou somar o número 1 ao número 2 e CRIAREI o número 3. Será parecido um pouco com você. Pois, continuou DEUS, 1 + 2 = 3, segundo a matemática. Realmente 1 + 2 = 3. E DEUS continuou: - Desde que você número 1 concorde plenamente e mantenha o segredo entre nós dois.
     O número 1 ou apenas número 1 perguntou a DEUS: - Foi o SENHOR quem CRIOU o número 2? DEUS mentiu socialmente dizendo não. Eu CRIEI você, e, com a sua ajuda vou CRIAR o número 3. Estou apenas juntando você ao número 2, que já está lá na TERRA. Assim CRIAREI o número 3.
     DEUS enfatizou: - Não sei como foi feito o número 2. E assim foi CRIADO o número 3, com a promessa de que o segredo fosse mantido entre o número 1 ou apenas número 1 e DEUS.
      

    


O número 3.
    
    


VICTOR e LEO – BORBOLETAS.





     Percebo que o TEMPO já não passa.
VOCÊ diz que não tem graça AMAR assim.
     Foi tudo tão BONITO, mas VOOU pro INFINITO.
Parecido com BORBOLETAS de um JARDIM.


     Agora VOCÊ volta.
E balança o que eu SENTIA por outro ALGUÉM.
     Dividido entre dois MUNDOS.
Sei que estou AMANDO, mas ainda não sei QUEM.
     Não sei dizer o que mudou.
Mas nada está IGUAL.
     Numa NOITE estranha a gente se estranha e fica mal.


VOCÊ tenta provar que tudo em NÓS morreu.
     BORBOLETAS SEMPRE VOLTAM.
E o seu JARDIM sou EU.


     Percebo que o TEMPO já não passa.
VOCÊ diz que não tem graça AMAR assim
     Foi tudo tão BONITO, mas VOOU pro INFINITO.
Parecido com BORBOLETAS de um JARDIM.


     Agora VOCÊ volta.
E balança o que eu SENTIA por outro ALGUÉM.
     Dividido entre dois MUNDOS.
Sei que estou AMANDO, mas ainda não sei QUEM.


     Não sei dizer o que mudou.
Mas, nada está IGUAL.
     Numa NOITE estranha a gente se estranha e fica mal.
VOCÊ tenta provar que tudo em NÓS morreu.
     BORBOLETAS SEMPRE VOLTAM.
E o seu JARDIM sou EU.


     Não sei dizer o que mudou.
Mas nada está IGUAL.
     Numa NOITE estranha a gente se estranha e fica mal.
VOCÊ tenta provar que tudo em NÓS morreu.
     BORBOLETAS SEMPRE VOLTAM.
E o seu JARDIM sou EU.
     SEMPRE VOLTAM
E o seu JARDIM sou EU.



     O número 3 já chegou ao PLANETA TERRA falando que AMAVA as BORBOLETAS e os JARDINS (ler e ouvir MÚSICA acima). Como se apresentou cantante e muito feliz foi muito bem recebido pelo número 1 e pelo número 2 como era de se esperar.
     Antes existia apenas o PAR (o número 1 e o número 2). Agora era uma tríade, ou seja, três números.
     Quando o número 1, o número 2 e o número 3 estavam reunidos era uma festa só. Festa de arromba!  
    Todavia, a vida não é só feita de festas. Eles tinham de trabalhar. E trabalhavam muito mesmo.
     Por ser um pouco mais forte, o número 3 trabalhava mais, e, por isto mesmo, produzia mais. O número 3 começou a ficar mais rico e mais poderoso. Justo e natural, ou, natural e justo.
     Aconteceu algo que estava mais ou menos previsto. O número 3, na maior parte do tempo trabalhava sozinho e ficava sozinho. Aos poucos começou a ficar irritado e até revoltado com o número 1 e com o número 2. A irritação e a revolta tinha apenas uma razão de ser: - A SOLIDÃO.
     Em alguns momentos de cólera exacerbada ele dizia desaforos ao número 1. E, sempre na ausência do número 2. O que o número 3 nunca soube, é que, foi o número 1 quem pediu a DEUS para criar ele. E mais. Uma parte do número 3 vinha do número 1 que foi CRIADO por DEUS. A outra parte do número 3 veio do número 2. Relembrando a conta DIVINA: - (número 1 + número 2 = número 3). Matematicamente: - 1 + 2 = 3.
     DEUS tinha dito que não sabia como tinha aparecido o número 2. O número 2 não passava de um ilustre desconhecido. Para o número 1, ele sabia que o número 3 tinha uma parte dele (número 1), e, que a outra parte (número 2) não tinha sido CRIADA por DEUS. Resumindo: - O número 1 foi o primeiro número CRIADO por DEUS. O número 3 foi o segundo número CRIADO por DEUS. Ponto final.  
     Número 1 ficou matutando. Como pode uma CRIATURA voltar-se contra o próprio CRIADOR?...
     - Sim. DEUS criou o número 3. Disso o número 1 tinha certeza. Mas DEUS criou o número 3 com uma parte de mim. Disso o número 1 também tinha certeza. E, eu, número 1 fui CRIADO por DEUS. Disso o número 1 também tinha certeza.
     O número 2 não foi CRIADO por DEUS, isso era outra certeza que o número 1 tinha.      
     O número 1 não contava nada ao número 2 sobre a sua origem. Por outro lado o número 1 não sabia como o número 2 tinha aparecido na TERRA.
     E, curiosamente, o número 2, não sabia que DEUS tinha CRIADO o número 1. E mais. O número 2 também nunca ficou sabendo que o número 3, foi CRIADO por DEUS a pedido do número 1.
     Portanto, o número 1 sofria calado, mas, cada dia ficava mais TRISTE. Por que os desaforos continuavam. Quase que em progressão geométrica.  
     Então um “belo dia” resolveu falar com DEUS novamente sobre o que estava acontecendo aqui no planeta TERRA.
     Temendo represálias do número 2 e do número 3, e, mantendo a promessa feita com DEUS, o número 1 foi conversar de novo com DEUS às escondidas.
     Certo dia, caminhando pelo CHÃO, com os dois PÉS, o número 2 e o número 3, os dois tagarelando muito, foi até um RIACHO distante para ver o SOL nascer.
     Foi a oportunidade de número 1 entrar em ação.  
     - O número 1 falou com DEUS pela terceira vez, para tentar resolver o problema dos dois, ou seja, o problema do número 1 com o número 3. Ou, melhorando a argumentação, a situação conflituosa imposta pelo número 3 sobre o número 1.  
     - A conversa entre DEUS e o número 1, foi tão escondida que, até hoje ninguém sabe exatamente o seu conteúdo completo.
     - DEUS disse: - É fácil resolver essa situação. Vou somar você, meu amigo número 1, ao número 3.
     - Eu não sei quem fez o número 2.
     - Todavia você sabe que EU lhe CRIEI, e que, o número 3 também foi CRIADO por MIM, com a sua AJUDA, a sua CONCORDÂNCIA e com a sua PARTICIPAÇÃO.
     Eu posso CRIAR o número 4, pois, 1 + 3 = 4, segundo a matemática.  
     - Entretanto só o farei com a sua ajuda, com a sua concordância e com a sua participação mais uma vez. Estamos combinados número 1? O número 1 concordou com satisfação. Lembre-se bem número 1. O número 4, será a soma do número 1 com o número 3. Matematicamente está corretíssimo, pois 1 + 3 = 4.
     DEUS concluiu: - Mantenha todos os segredos número 1!
     - Combinado e bacana disse o número 1 todo SORRIDENTE. Da tristeza passou para a ALEGRIA. De repente! Curioso não?
     Quem entende o que se passa na cabeça dos NÚMEROS? Principalmente o que se passa na cabeça do número 1, o primeiro número CRIADO por DEUS.  
        
     - O número 1 indagou a DEUS.
     - Mas, DEUS, o número 3 chegou lá na TERRA falando de AMOR, BORBOLETAS e JARDINS, e, deu no que deu. O número 3 ficou tão rabugento? Como se comportará o número 4 entre nós?
     - DEUS cochichou no ouvido de número 1: - #######@@@@@@@@############. O número 1 caiu na gargalhada... Até eu, o escriba, gostaria de saber o motivo de tanta RISADA... Falando sério.
     - DEUS entregou lá no CÉU, ao número 1, um embrulho contendo algo misterioso.  
     - DEUS disse ainda: - O número 4 chegará lá na TERRA depois de você. Quem abrirá o embrulho na TERRA será o número 4.
     Vendo a CURIOSIDADE crescente do número 1, DEUS reforçou o pedido.
     O embrulho você leva, mas, só poderá ser aberto na TERRA pelo número 4!
     - E tem mais número 1.
     - Não apareça mais aqui no CÉU. Uma vez é pouco, duas vezes é bom, três vezes é demais.
    - Número 1!  ...ADEUS.  
            
  
    
        
                  
O número 4.



Brancas: - Richard Réti.      X      Pretas: - Savielly Tarlakower.  


1 – P4R---------------------------------------------P3BD
2 – PAD---------------------------------------------P4D  
3 – C3BD--------------------------------------------P x P
4 – C x P--------------------------------------------C3B
5 – D3D---------------------------------------------P4R
6 – P x P--------------------------------------------D4T +
7 – B2D---------------------------------------------D x PR
8 – 0 – 0 – 0----------------------------------------C x C
9 – D8D +-------------------------------------------R x D
10 – B5C + (Xeque duplo)----------------------------R2B
11 – B8D (Xeque mate)-----------------------------@@@@@@@@@



     Antes de sair do CÉU o número 4 conversou demoradamente com DEUS. Bota conversa nessa estória. A conversa foi quase secreta. Da longa conversa vazou algumas coisas. Por exemplo:  
     - DEUS disse ao número 4. EU lhe CRIEI. Os outros números que estão na TERRA não poderão saber que EU lhe CRIEI. Pode conversar à vontade com os outros quaisquer coisa. Menos sobre este assunto. O número 1 sabe que EU lhe CRIEI. O número 1 me prometeu guardar esse segredo. Se o número 1 tocar neste assunto, se faça de mudo surdo e cego. EU lhe ensinei muita matemática. Faça bom proveito.  
    

     Ao chegar à TERRA o número 4 foi encontrar-se com o número 1 para pegar a encomenda DIVINA, e, diante de todos (número 1, número 2 e número 3), fez seu admirável jogo (ver partida acima), embora tenha perdido a partida o número 4 jogava magnificamente bem. Simbolicamente Richard Rédi era DEUS e Savielly Tartakower era o número 4.  

    

     Observação do escriba: - Esta partida foi disputada em 1910 entre o Grande Mestre Richard Réti (1889-1929 e Savielly Tartakower (1887-1956). Em apenas 11 lances Richard Réti (jogando com as peças brancas), vence a partida.  



     Ao contrário do número 1, do número 2 e do número 3, o número 4 chegava de uma forma diferente e aparentava ser mais erudito e sábio.  
     Os números 1, 2 e 3 perguntaram ao número 4 de onde ele estava vindo. Ele respondeu apenas que estava chegando de um local muito distante. Não deu maiores explicações.
     Entretanto o número 4 disse que parecia que eram da mesma família do ponto de vista matemático, pois, o número 1 somado ao número 3 era igual ao número 4. (Realmente 1 + 3 = 4).
     Dirigindo-se ao número 2, o número 4 disse que o achava um pouco diferente (estereótipo). Mais que do ponto de vista matemático tinham algo em comum entre eles.
     O número 4 falou: - Um número 2 mais outro número 2, (SOMA), poderia dar origem ao número 4. De fato (2 + 2 = 4).
     E acrescentou: - Um número 2 multiplicado por outro número 2 também é igual ao número 4. (Realmente 2 x 2 = 4).
     E continuou o número 4: - Um número 4 dividido por um número 2 é igual a outro número 2. Temos semelhanças na soma, na multiplicação e na divisão.  
    
     O número 4 parecia entender um pouco de “aritmética” e de “genealogia”, e começou a explicar como poderia fazer alguns NÚMEROS, usando apenas o seu próprio número 4.
     Vou exemplificar para vocês, disse o número 4:    



A – Um número 4 dividido por outro número 4 é igual ao NÚMERO 1.

B – Um número 4 somado a outro número 4, e, dividido por outro número 4 é igual ao NÚMERO 2.  

C – Um número 4 somado a outro número 4, e somado mais uma vez a outro número 4, e, finalmente dividido por outro número 4 é igual ao NÚMERO 3.

D – Um número 4, multiplicado por outro número 4, e, finalmente, dividido por outro número 4 é igual ao próprio NÚMERO 4, ou seja, o meu próprio NÚMERO 4.

E – Um número 4 multiplicado por outro número 4, depois somado a outro número 4, e, finalmente, dividido por outro número 4 é igual ao NÚMERO 5.

F – Um número 4 multiplicado por outro número 4, depois somado a mais dois números 4, e, finalmente, dividido por outro número 4 é igual ao NÚMERO 6.

G – Um número 4 multiplicado por outro número 4, depois somados a três números 4, e, finalmente, dividido por outro número 4, é igual ao NÚMERO 7.

H – Um número 4 somado a outro número 4 é igual ao NÚMERO 8.

I – Um número 4 dividido por outro número 4, e depois, somado a mais dois números 4 é igual ao NÚMERO 9.

J – Um número 4 dividido por outro número 4, mais outro número 4 dividido por outro número 4, e, finalmente, somado a mais dois números 4 é igual ao NÚMERO 10.

    
     Ao mesmo tempo em que o número 4 ia falando ele ia fazendo anotações em vários papéis. Depois entregou os papéis aos números 1, 2 e 3.  

     Os números 1, 2 e 3 ficaram intrigados com a “aritmética” do número 4, e, além disto, perguntaram por que o número 4 tinha usado LETRAS ao invés de NÚMEROS para fazer aquela explicação ordenada, cheia de NÚMEROS.
     O número 4 disse que só daria a resposta depois que CANTASSE uma MÚSICA Os números 1, 2 e 3 arregalaram os olhos e perguntaram: - Você também sabe CANTAR? O número 4 respondeu que sabia, mas, que só CANTARIA com a autorização, a presença e o apoio dos três números. Os três perguntaram: - E por quê? O número 4 falou que a VOZ dele era fraca e, além disso, ele achava mais BONITO se os 4 números CANTASSEM juntos.  
     E, assim, o número 1, o número 2, o número 3 e o número 4, CANTARAM ao mesmo tempo a seguinte MÚSICA. (fim do primeiro ATO).    
    




     A luta contra a debilitante POLIOMIELITE (paralisia infantil) continua, e a luta a favor da inofensiva AUTO-HEMOTERAPIA, também continua.
      Se DEUS nos permitir voltaremos outro dia ou a qualquer momento. Boa leitura, boa saúde, pensamentos positivos e BOM DIA.
     ARACAJU, capital do Estado de SERGIPE, localizado no BRASIL, Ex-PAÍS dos fumantes de CIGARROS e futuro “PAÍS dos MACONHEIROS”. Terça-feira, 22 de maio de 2018.




                  
            Jorge Martins Cardoso – Médico – CREMESE – 573.




     Fontes: (1) – INTERNET. (2) – Wikipédia. (3) – LIVRO – Xadrez Para Principiantes – Josej Doubek – Tradução – Harald Gollnow – 13ª edição – 1982 – Ediouro Publicações S/A – Páginas 64 e 65 – (100 páginas). (4) – OUTRAS FONTES.

jorge martins, Raul Seixas, Zé Geraldo, Victor e Leo.
Enviado por jorge martins em 22/05/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras