Jorge Martins Cardoso

 

Um eterno aprendiz



Textos

A LIBERDADE... A VONTADE... "IGREJAS EVANGÉLICAS BRASILEIRAS estão envolvidas com o NARCOTRÁFICO?" - 33ª parte.





A LIBERDADE... A VONTADE... “IGREJAS EVANGÉLICAS BRASILEIRAS estão envolvidas com o NARCOTRÁFICO?” - 33ª parte.





Observações iniciais do escriba:



     1ª - O nosso principal objetivo e alvo nesta série de artigos é saber a realidade sobre a venda e a compra da RÁDIO e TV RECORD, fato que aconteceu em 1989 (há 28 anos, aproximadamente). Na verdade existe um objetivo mais abrangente...  


     2ª – O “Escândalo Criminoso” envolve em 1º lugar o Bispo Edir Macedo, o então Líder Maior da “Igreja Universal do Reino de Deus” (IURD), e um pequeno grupo de seguidores da Alta Cúpula daquela “Seita Religiosa”, que eram seus seguidores fiéis naquela época.

     3ª – Vender e comprar uma EMISSORA de RÁDIO ou de TELEVISÃO parece não ser um crime. Parece!

     4ª - No entanto, quando o DINHEIRO obtido para a sua compra procede de uma fonte ilegal e suja como é o caso de milhões de DÓLARES conseguidos de sangrentos NARCOTRAFICANTES da COLÔMBIA, aí sim, estamos diante de um FATO REAL e de um GRAVE CRIME contra toda a população BRASILEIRA.

     5ª - Não sou seguidor de nenhuma RELIGIÃO. Todavia, sou um convicto DEÍSTA.






33ª parte.





BANCADA EVANGÉLICA.



     Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


     “Foto: Senador Magno Malta exibe cartaz em um pronunciamento no senado. CANTOR e PASTOR, Malta é considerado um dos Líderes da Bancada Evangélica.




     FRENTE PARLAMENTAR EVANGÉLICA, ou simplesmente BANCADA EVANGÉLICA, é um termo aplicado a uma Frente Parlamentar do Congresso Nacional do Brasil composta por POLÍTICOS EVANGÉLICOS de Partidos Políticos DISTINTOS.
     Diferentemente dos Evangélicos, que compõem a Maioria da Bancada, os Parlamentares Católicos Não Participam da Frente.
     A Frente Parlamentar se articula CONTRA temas como igualdade racial e de gênero, direito ao aborto, eutanásia e casamento entre pessoas do mesmo sexo, além de também se opor à criminalização da violência e discriminação contra homossexuais, bissexuais e transexuais e de castigos físicos impostos por pais aos filhos.
     O grupo também tenta derrubar resoluções do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que impedem que PSICÓLOGOS tratem a homossexualidade como uma doença, apesar da decisão do CFP estar de acordo com a resolução de 1990 da Organização Mundial da Saúde (OMS), que retirou a homossexualidade da lista de Distúrbios Mentais depois que diversas outras organizações psiquiátricas respeitadas, como a Associação Americana de Psiquiatria e a Associação Americana de Psicologia, terem feito o mesmo nas décadas anteriores.
     Também buscam a aprovação do Estatuto da Família, que restringe o conceito de família, discrimina homossexuais e regulamenta a heteronormatividade no Brasil.
     Em 2013, foram considerados líderes da bancada os parlamentares João Campos (PSDB-GO), Anthony Garotinho (PR–RJ), Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Lincoln Portela (PR-MG) e o senador Magno Malta (PR-ES).
     Se fosse um partido, teria a terceira bancada de deputados do Congresso Nacional Brasileiro, sendo superada apenas pelas bancadas de Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e do Partido dos Trabalhadores (PT).



COMPOSIÇÃO.




     A Bancada Evangélica no Parlamento titular eleita em 2014 é composta, em setembro de 2016, por 87 deputados (as) federais e 03 senadores, num total de 90 parlamentares.
     Em outubro de 2016, entre os Parlamentares da Câmara dos Deputados, cinco estão licenciados para exercerem cargos públicos, para tratamento de saúde ou de questões pessoais, e cinco são suplentes em exercício, formando um total de 87 Deputados Evangélicos em atuação.
     No Senado, dois estão licenciados. Nesta lista aqui apresentada estão aqueles (as) deputados (as) e senadores com Vinculação Identificada ou Declarada a uma Igreja Evangélica.
     Não estão considerados Parlamentares Apoiados por Igrejas.
     Os dados foram levantados com base em pesquisa do DIAP, na lista de eleitos apresentados pela Frente Parlamentar Evangélica e em consultas a Assessores de Parlamentares da Bancada da Legislatura Anterior.
     Foram examinados nomes por nomes e checados os (as) eleitos (as) que, de fato, tem Vinculação Religiosa – descartados o simples pertencimento a partidos identificados como Religiosos ou o apoio recebido por uma determinada Denominação Evangélica na Campanha Eleitoral.
     Nem todos integram a Frente Parlamentar Evangélica registrada seguindo o Ato da Mesa da Câmara, n. 69, de 10/11/2005, que formalizou a existência de Frentes Parlamentares para que pudessem fazer uso de Recursos da Câmara.
     A FPE do Congresso Nacional registrada, em 2015, para a 55ª Legislatura (2015-2018), é composta por 203 signatários, conforme informação oficial da Câmara dos Deputados  – há nela muitos Católicos, inclusive praticantes, ligados à Renovação Carismática, e muitos deputados eleitos com apoio de Igrejas Evangélicas, por conta de compromissos regionais, mas não são vinculados a elas.
     Na Câmara dos Deputados, em 2016, segundo ano da atual legislatura, 32 dos deputados da lista a seguir mudaram de partido.
     O PRB fica consolidado como o partido mais forte da bancada, com crescimento de vinculados.
     Chama a atenção o crescimento significativo de filiações ao DEM, ao PMDB e ao PSD.
     O PSC e o SD perderam deputados.
     Estas mudanças significam redução considerável nas filiações a partidos identificados como de "esquerda", o que reafirma a Tendência Conservadora da Bancada.
     A força da Assembleia de Deus como Igreja que Predomina na Bancada Evangélica na Câmara fica mantida, seguida da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e da Igreja Batista.
     Dos 92 parlamentares da bancada na Câmara (titulares eleitos + suplentes em exercício), mais da metade (49) pertence a estas Três Igrejas (26 na primeira, 11 na segunda e 12 na terceira).
     O Presbiterianismo tem Nove Representantes e configura uma força entre as Igrejas Históricas.
     Os demais Parlamentares seguem distribuídos em 22 Denominações Diferentes.



MEMBROS.



     Segundo levantamento do DIAP foi identificado 74 deputados que compõe a Bancada Evangélica Eleitos em 2014, cujas Legislaturas se iniciaram em 2015. Solicito aos leitores que consultem a Wikipédia para esmiuçar a relação Político-Partidária de todos os “Religiosos”.




CRÍTICAS e CONTROVÉRSIAS.



     De acordo com dados obtidos através do site Transparência Brasil, a Maior Parte dos Parlamentares que Participam da Bancada Evangélica são Alvos de Processos Judiciais na Justiça Eleitoral e no Supremo Tribunal Federal (STF) por diversos crimes, tais como Peculato, Improbidade Administrativa, Sonegação de Impostos, Formação de Quadrilha ou Bando, Abuso do Poder Econômico em Eleições de que Participaram, Reprovação de Prestação de Contas nos Tribunais de Contas de Estados e Municípios e aos Próprios TREs de seus Estados de Origem.
     Na matéria "Vinde a Mim os Eleitores", de 23 de março de 2013, a revista Veja publicou:
     "A Bancada Evangélica Também Não Foge à Regra do Congresso Nacional quando o assunto são Denúncias de Corrupção”.
     “Dos 73 integrantes na Câmara, 23 respondem a processo no Supremo Tribunal Federal (STF)”.
     “Há acusados de corrupção, peculato (desvio praticado por servidor público), crime eleitoral, uso de documento falso, lavagem de dinheiro e estelionato”.
     “Há até um condenado a prisão que pode ir para a cadeia em breve, que tem pena de treze anos e quatro meses a cumprir”.
     Entre as críticas direcionadas a esse grupo político está o uso de fiéis como Plataforma Política e Massa de Manobra, o desrespeito à Laicidade do Estado Brasileiro e ações para retroceder ou impedir o avanço da legislação em temas sociais e direitos de minorias.
     O deputado Tadeu Mudalen foi relator de uma comissão especial da Câmara dos Deputados, criada inicialmente para avaliar a ampliação da Licença Maternidade.
     No texto final divulgado em novembro de 2017 ele inseriu alterações que os Movimentos Feministas consideraram como um passo inicial à Proibição do Aborto até mesmo em casos de ESTUPRO.




REPRESENTATIVIDADE.



     Pesquisa qualitativa coordenada por professores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), sobre as atitudes políticas dos fiéis participantes da 25ª Marcha para Jesus (realizada em São Paulo, a 15 de junho de 2017), mostrou que 76,9% dos pesquisados não se identificam com Partido Político, nem com Lideranças da Bancada Evangélica.
     Os entrevistados também mostraram uma Expressiva Rejeição às propostas apoiadas pela Bancada Evangélica, tais como as Reformas Trabalhista e Previdenciária.
     A maioria respondeu que "Não Confia" em Políticos Historicamente Ligados aos Evangélicos, como o deputado Jair Bolsonaro, do PSC (57,4%), a ex-senadora Marina Silva, da Rede (57%), o pastor e deputado federal Marco Feliciano, do PSC (54,1%), e o pastor e prefeito do Rio, Marcelo Crivella, do PRB (53,9%).
     Foram entrevistados 484 fiéis, e a margem de erro da pesquisa é de 4.5%.



VER TAMBÉM.


Bancada BBB.
Bancada da Bala.
Bancada Ruralista.
Homofobia no Brasil.



     Observação do escriba: - Na Wikipédia estão disponíveis 17 referências sobre o assunto.



ALGUMAS REFERÊNCIAS CURIOSAS.




     01 - Gabriel Castro e Marcela Mattos (23 de março de 2013). Revista Veja, ed. «Vinde a Mim os Eleitores: a força da bancada evangélica no Congresso». Consultado em 1º de maio de 2013.

      02 - Folha de S. Paulo, ed. (04 de dezembro de 2013). «Comissão de Feliciano derruba projetos sobre igualdade de gênero e raça». Consultado em 05 de junho de 2014.
    
     03 - Bedinelli, Talita (10 de novembro de 2017). «Bancada evangélica converte proposta pró-mulher em projeto antiaborto». EL PAÍS. Consultado em 11 de novembro de 2017.

     04 - iG, ed. (14 de abril de 2013). «Bancada evangélica age para barrar mudanças polêmicas no Código Penal». Consultado em 05 de junho de 2014.

     05 - «Nota Pública - Comissão Nacional de Direitos Humanos apóia decisão do CFP». POL - Psicologia On Line.

     06 - Folha de S. Paulo, ed. (02 de julho de 2013). «Líderes da bancada evangélica se articulam para apresentar novo projeto da 'cura gay'». Consultado em 05 de junho de 2014.

     07 - Paulo Lopes (03 de abril de 2013). «Maioria dos DEPUTADOS EVANGÉLICOS Respondem por PROCESSOS JUDICIAIS». Paulolopes.org.br. Consultado em 1º de maio de 2013.
    
     08 - Gospel Mais (ed.). «Mais da Metade dos DEPUTADOS da BANCADA EVANGÉLICA Enfrenta PROCESSOS na JUSTIÇA». Consultado em 1º de maio de 2013.

     09 – EVANGÉLICOS da MARCHA rejeitam Lideranças Religiosas na Política e apoiam "respeito a gays", diz pesquisa. Por Janaina Garcia. UOL, 16 de junho de 2017.




Categoria:


Organizações Políticas do Brasil.


     Esta página foi editada pela última vez às 10h40min de 11 de novembro de 2017.



     A luta contra a debilitante POLIOMIELITE (paralisia infantil) continua, e a luta a favor da inofensiva AUTO-HEMOTERAPIA, também continua.
      Se DEUS nos permitir voltaremos outro dia ou a qualquer momento. Boa leitura, boa saúde, pensamentos positivos e BOM DIA.
     ARACAJU, capital do Estado de SERGIPE (Ex-PAÍS do FORRÓ e futuro “PAÍS da BOMBA ATÔMICA”), localizado no BRASIL, Ex-PAÍS dos fumantes de CIGARROS e futuro “PAÍS dos MACONHEIROS”. Quarta-feira, 27 de dezembro de 2017.




Jorge Martins Cardoso – Médico – CREMESE – 573.



    
     Fontes: (1) – INTERNET. (2) – Wikipédia. (3) - OUTRAS FONTES.


jorge martins
Enviado por jorge martins em 27/12/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras