Jorge Martins Cardoso

 

Um eterno aprendiz



Textos

A LIBERDADE... A VONTADE... "UMA PROTEÍNA ABALA o REINO UNIDO" - 3ª parte do 2º "capítulo".





A LIBERDADE... A VONTADE... “UMA PROTEÍNA ABALA o REINO UNIDO” – 2º “capítulo”.




O QUE SÃO PROTEÍNAS?  – 3ª parte do 2º “capítulo”.



PURIFICAÇÃO de PROTEÍNAS.



Ver artigo principal: Purificação de PROTEÍNAS.


     Antes de se poder efetuar uma análise in vitro, a PROTEÍNA deve ser purificada dos restantes componentes CELULARES.
     Este processo de purificação geralmente tem início com a citólise da CÉLULA, através da qual a membrana CELULAR é rompida e o conteúdo interno libertado para uma solução denominada lisado bruto.
    

     Observação do escriba: - “Lisado de TIMUS de VITELA” os leitores já ouviram falar. Dr. Luiz Moura falou e eu já transcrevi em um artigo anterior.


     A mistura daí resultante pode ser purificada através de ultracentrifugação, a qual fraciona os vários componentes CELULARES em frações que contêm PROTEÍNAS solúveis, PROTEÍNAS e lipídios membranares, organelas CELULARES e ácidos nucleicos.
     As PROTEÍNAS deste lisado são então concentradas através de precipitação, feita através do método de relargagem.
     São depois usados vários tipos de cromatografia para isolar a PROTEÍNA ou as PROTEÍNAS pretendidas, de acordo com propriedades como o peso molecular ou afinidade de ligação.
     O nível de purificação pode ser monitorizado através de vários tipos de eletroforese em gel, quando são conhecidos o peso molecular e o ponto isoelétrico, através de espectroscopia, quando a PROTEÍNA possui características espectroscópicas distintas, ou através de análise enzimática, quando a enzima tem atividade enzimática.
    As PROTEÍNAS podem ainda ser isoladas de acordo com a sua carga através de focalização isoelétrica.
     No caso das PROTEÍNAS NATURAIS, podem ser necessárias mais etapas no processo de purificação de forma a obter PROTEÍNAS suficientemente puras para serem usadas em laboratório.
     Para simplificar este processo, recorre-se muitas vezes a ENGENHARIA GENÉTICA para acrescentar às PROTEÍNAS características químicas que as tornem mais fáceis de serem purificadas sem, no entanto, afetar a sua estrutura ou atividade.
     Neste caso, a um dos terminais da PROTEÍNA é acrescentada uma etiqueta constituída por uma sequência de AMINOÁCIDOS específica, geralmente uma série de resíduos de histidina (etiqueta de poli-histidina).
     Desta forma, quando o lisado é passado sobre uma coluna de cromatografia contendo níquel, os resíduos de histidina ligam-se com o níquel e agarram-se à coluna, enquanto os componentes do lisado sem a etiqueta passam sem entraves.
     Têm vindo a ser desenvolvidas diversas etiquetas de modo a auxiliar os investigadores na purificação de PROTEÍNAS a partir de misturas complexas.



LOCALIZAÇÃO CELULAR.



     “Foto: PROTEÍNAS em diferentes compartimentos e estruturas etiquetadas com PROTEÍNA verde fluorescente”.


    
     O estudo de PROTEÍNAS in vivo dedica-se às questões relacionadas com a síntese e localização de PROTEÍNAS no interior de CÉLULAS.
     Embora muitas das PROTEÍNAS intracelulares sejam sintetizadas no citoplasma e as PROTEÍNAS segregadas sejam sintetizadas no retículo endoplasmático, o processo específico de como as PROTEÍNAS se orientam para organelas ou estruturas CELULARES específicas é em muitas situações pouco claro.
     Uma das técnicas para avaliar a localização CELULAR recorre à ENGENHARIA GENÉTICA para expressar numa CÉLULA uma PROTEÍNA de fusão, a qual é constituída pela PROTEÍNA em estudo ligada a um gene repórter, como por exemplo a PROTEÍNA verde fluorescente.
     A posição da PROTEÍNA de fusão na CÉLULA pode então ser facilmente visualizada através de MICROSCOPIA.
     Outros métodos para obtenção da localização CELULAR de PROTEÍNAS requerem o uso de marcadores compartimentais conhecidos para diversas regiões CELULARES.
     Com o uso de versões destes marcadores etiquetadas com fluorescência, torna-se mais simples a identificação e localização da PROTEÍNA pretendida.
     A técnica padrão para localização CELULAR é a MICROSCOPIA IMUNOELETRÔNICA.
     Esta técnica usa um anticorpo para a PROTEÍNA pretendida, a par de técnicas clássicas de MICROSCOPIA ELETRÔNICA.
     A amostra é preparada para uma análise MICROSCÓPICA padrão, sendo depois tratada com um anticorpo dessa PROTEÍNA que é conjugado com um material eletro-denso, geralmente OURO.  
     Através de mutagênese sítio-dirigida, os investigadores podem alterar a sequência PROTEICA, alterando dessa forma a sua estrutura, localização CELULAR e suscetibilidade à regulação.
     Esta técnica permite ainda a incorporação nas PROTEÍNAS de AMINOÁCIDOS não naturais, usando RNAt modificado, podendo ainda permitir a conceção de novas PROTEÍNAS com novas propriedades.



PROTEÔMICA e BIOINFORMÁTICA.



     Ver artigos principais: Proteômica e bioinformática.


     O conjunto total de PROTEÍNAS presentes numa CÉLULA em determinado momento é denominado PROTEOMA, e o estudo em grande escala destes conjuntos define o campo da PROTEÔMICA, assim denominado em analogia ao campo relacionado da GENÔMICA.
     Entre as principais técnicas da PROTEÔMICA estão a eletroforese bidimensional, a qual permite a separação de um vasto número de PROTEÍNAS, a espectrometria de massa, a qual permite a rápida identificação de PROTEÍNAS e sequenciação de peptídeos, o micro arranjo de PROTEÍNAS, que permite a detecção dos níveis relativos do grande número de PROTEÍNAS presentes na CÉLULA, e o sistema de duplo híbrido, que permite a exploração sistemática de interações PROTEÍNA-PROTEÍNA.
     O conjunto total e biologicamente possível destas interações é denominado INTERACTOMA.
     O esforço sistemático para determinar as estruturas de PROTEÍNAS e de todos os enovelamentos possíveis é denominado GENÔMICA ESTRUTURAL.



PREVISÃO e SIMULAÇÃO da ESTRUTURA.



     “Foto: Os AMINOÁCIDOS que constituem a PROTEÍNA podem ser analisados de modo a prever as estruturas PROTEICAS secundária, terciária e quaternária, neste caso da HEMOGLOBINA”.


     Complementar ao campo da GENÔMICA ESTRUTURAL, a previsão de estruturas das PROTEÍNAS procura desenvolver métodos eficientes de fornecer modelos plausíveis para PROTEÍNAS cujas estruturas não foram ainda determinadas experimentalmente.
     O mais bem-sucedido método de previsão estrutural, denominado MODELAÇÃO por HOMOLOGIA, assenta na existência de uma estrutura-modelo com uma sequência semelhante à PROTEÍNA a ser modelada.
     O objetivo da GENÔMICA ESTRUTURAL é fornecer uma representatividade suficiente de estruturas resolvidas que sirva de modelo a todas as restantes.
     Os processos de enovelamento e ligação PROTEICA podem ser simulados usando técnicas como a DINÂMICA MOLECULAR ou o método de Monte Carlo, os quais têm vindo cada vez mais a tirar partido da computação distribuída, como o projeto Folding@home.
     O enovelamento de pequenos domínios PROTEICOS de alfa-hélice, como a PROTEÍNA acessória do VIH, tem vindo a ser simulado com sucesso in silico.
     Os métodos híbridos que combinam DINÂMICA MOLECULAR com cálculo de MECÂNICA QUÂNTICA têm permitido a exploração dos estados eletrônicos das RODOPSINAS.



HISTÓRIA e ETIMOLOGIA.




     As PROTEÍNAS foram pela primeira vez descritas pelo QUÍMICO HOLANDÊS Gerardus Johannes Mulder e assim batizadas pelo QUÍMICO SUECO Jöns Jacob Berzelius em 1838.
     Mulder levou a cabo análises elementares de PROTEÍNAS vulgares e constatou que praticamente todas as PROTEÍNAS apresentavam a mesma FÓRMULA EMPÍRICA – C400H620N100O120P1S1.
     Ainda que erradamente, concluiu que as PROTEÍNAS deveriam ser constituídas por um único tipo de molécula de grande dimensão.
     O termo "PROTEÍNA" para descrever estas moléculas foi proposto pelo sócio de Mulder, Berzelius.
     PROTEÍNA deriva da palavra grega πρωτεῖος (PROTEIOS), a qual significa "na liderança" ou "a que está à frente".
     Mulder prossegue a investigação, identificando produtos da degradação PROTEICA, como o AMINOÁCIDO  LEUCINA, para o qual determinou o peso molecular quase preciso de 131 Da.
     Os CIENTISTAS pioneiros no campo da NUTRIÇÃO, como o ALEMÃO Carl von Voit, acreditavam que a PROTEÍNA era o mais importante NUTRIENTE na manutenção da estrutura corporal, uma vez que existia a crença generalizada de que seria a CARNE tinha origem na própria CARNE.
     Karl Heinrich Ritthausen alargou o campo das PROTEÍNAS conhecidas com a identificação do ÁCIDO GLUTÂMICO.
     Thomas Burr Osborne compilou em 1909 uma revisão detalhada de todas as PROTEÍNAS VEGETAIS e, no mesmo ano e em conjunto com Lafayette Mendel, determinou os AMINOÁCIDOS ESSENCIAIS à sobrevivência de ratos de laboratório aplicando a lei de Liebig.
     A compreensão das PROTEÍNAS enquanto polipeptídeos foi proporcionada por Franz Hofmeister e Hermann Emil Fischer.
     O papel central das PROTEÍNAS enquanto enzimas nos organismos vivos foi determinado em 1926, quando James Batcheller Sumner demonstrou que a UREASE era de fato uma PROTEÍNA.


     “Foto: John Kendrew com um modelo de MIOGLOBINA”.


     A dificuldade em purificar PROTEÍNAS em grande quantidade dificultou imensamente a investigação dos primeiros BIOQUÍMICOS.
     Assim, a investigação inicial focou-se sobretudo em PROTEÍNAS que podiam ser facilmente purificadas em quantidade, como as do SANGUE, da CLARA de OVO, diversas toxinas e enzimas digestivas obtidas em matadouros.
     Atribui-se a Linus Pauling a primeira previsão bem-sucedida de estruturas secundárias de PROTEÍNAS com base nas ligações de hidrogênio, uma ideia que já tinha sido proposta em 1933 por William Astbury.
     Posteriormente, a investigação de Walter Kauzmann sobre a desnaturação, baseada em parte nos estudos anteriores de Kaj Ulrik Linderstrøm-Lang, veio a contribuir para a compreensão do enovelamento de PROTEÍNAS e das estruturas mediadas por interações hidrófugas.
     A PRIMEIRA PROTEÍNA a ser SEQUENCIADA foi a Insulina, por Frederick Sanger em 1949.
     Sanger determinou corretamente a SEQUÊNCIA de AMINOÁCIDOS da PROTEÍNA, demonstrando de forma conclusiva que as PROTEÍNAS eram constituídas por POLÍMEROS LINEARES de AMINOÁCIDOS, em vez de cadeias ramificadas ou coloides.
     As primeiras estruturas PROTEICAS a serem resolvidas foram as da HEMOGLOBINA e da MIOGLOBINA, por Max Perutz e John Kendrew, respectivamente, em 1958.
     Nas décadas posteriores, a CRIO-MICROSCOPIA ELETRÔNICA de grandes conjuntos MACROMOLECULARES e a previsão COMPUTACIONAL de estruturas PROTEICAS de pequenos domínios foram métodos que permitiram a investigação de PROTEÍNAS à ESCALA ATÔMICA.
     No início de 2014, estavam registadas no Protein Data Bank aproximadamente 90.000 estruturas PROTEICAS com RESOLUÇÃO ATÔMICA.



Observações do escriba


     1ª - Na Wikipédia estão disponíveis 100 (cem) Referências e a impressionante quantidade de 99 (noventa e nove) Bibliografias sobre as PROTEÍNAS.

     2ª – A história das PROTEÍNAS nos remete ao ano de 1838 (século XIX) com o pioneirismo de dois QUÍMICOS.

     3ª – O chamado Projeto GENOMA e a Engenharia Genética estão envolvidos até o pescoço nos estudos das PROTEÍNAS.  

     4ª – Tais estudos nos deveriam trazer grandes e boas novidades. Surgiu uma novidade. Só que a novidade não foi muito boa. É o que veremos no 3º “capítulo”.  

     A luta contra a debilitante POLIOMIELITE (paralisia infantil) continua, e a luta a favor da inofensiva AUTO-HEMOTERAPIA (AHT), também continua.
      Se DEUS nos permitir voltaremos outro dia ou a qualquer momento. Boa leitura, boa saúde, pensamentos positivos e BOM DIA.
     ARACAJU, capital do Estado de SERGIPE (Ex-PAÍS do FORRÓ e futuro “PAÍS da BOMBA ATÔMICA”), localizado no BRASIL, Ex-PAÍS dos fumantes de CIGARROS e futuro “PAÍS dos MACONHEIROS”. Sábado, 02 de setembro de 2017.

Jorge Martins Cardoso – Médico – CREMESE – 573.



      Fontes: (1) – Wikipédia. (2) – OUTRAS FONTES.



jorge martins
Enviado por jorge martins em 02/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras