Jorge Martins Cardoso

 

Um eterno aprendiz



Textos

A LIBERDADE... A VONTADE... "A Incompetência da 'CIÊNCIA', os Interesses da MÁFIA BRANCA e a Ignorância dos TOGADOS assassinaram um indefeso BEBÊ".





A LIBERDADE... A VONTADE... “A Incompetência da ‘CIÊNCIA’, os Interesses da MÁFIA BRANCA e a Ignorância dos TOGADOS assassinaram um indefeso BEBÊ”.



Antepenúltimo capítulo da novela “O DIREITO dos PAIS e O DIREITO de VIVER”.




PAIS de Charlie Gard passam suas últimas horas com o BEBÊ.






     “Foto: Os PAIS de Charlie Gard, BEBÊ britânico que sofre de uma doença genética rara em estágio terminal, vão passar nesta sexta-feira (28) suas últimas horas junto ao FILHO”.



     O BEBÊ de onze meses foi levado do HOSPITAL londrino de Great Ormond Street para uma casa de cuidados paliativos para terminar seus dias.
     "O HOSPITAL rejeitou nosso último desejo", declarou Connie Yates, a MÃE de Charlie, depois de a JUSTIÇA rejeitar na quinta-feira estender o prazo para o desligamento da assistência respiratória que mantém a CRIANÇA VIVA.
     "Queríamos apenas estar em paz com NOSSO FILHO, sem HOSPITAL, sem ADVOGADO, sem IMPRENSA”.
     Apenas um momento com Charlie, longe de todo o resto, para dizermos adeus com o todo o amor possível, declarou em um comunicado.
     Os PAIS de Charlie queriam que ele passasse seus últimos dias EM SUA CASA em um bairro do oeste de Londres, após perderem uma BATALHA LEGAL para levá-lo aos Estados Unidos a fim de submetê-lo a um tratamento experimental.
     O caso gerou grande interesse em nível internacional e chamou a atenção do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e do Papa Francisco.
     Mas o GREAT ORMOND STREET HOSPITAL (GOSH), onde Charlie está internado, afirmou que trasladar o BEBÊ para SUA CASA para ele passar ali seus últimos dias não seria algo prático, e sugeriu que ele fosse levado para uma casa de repouso voltada para pacientes terminais.
     O HOSPITAL afirmou nesta sexta-feira que os “médicos” tentaram absolutamente tudo para responder aos pedidos dos pais, mas ressaltou que correr "o risco de fazer com que Charlie termine seus dias de maneira imprevista e caótica é impensável para todos os envolvidos e deixaria os PAIS sem os últimos instantes com ele".
     Charlie sofre de uma doença genética rara, chamada de síndrome de depleção do DNA mitocondrial, que causa fraqueza muscular progressiva no coração e em outros órgãos essenciais, e precisa de ventilação artificial por não poder respirar sozinho.





Penúltimo capítulo da novela “O DIREITO dos PAIS e O DIREITO de VIVER”.




MORRE Charlie Gard, BEBÊ britânico no centro de disputa entre PAIS e “MÉDICOS”.





Por William James e Fanny Potkin.

Reuters, 28 de julho de 2017.








     “Foto: PAIS de CHARLIE GARD, Connie Yates e Chris Gard leem comunicado em Londres”.





     LONDRES (Reuters) - Charlie Gard, um BEBÊ britânico que se tornou centro de uma disputa amarga entre seus pais e “médicos” sobre se poderia ser levado aos Estados Unidos para tratamento experimental, morreu nesta sexta-feira.
     O BEBÊ de 11 meses sofria de uma condição genética extremamente rara que causava dano cerebral progressivo e fraqueza nos músculos, e a longa luta de seus pais para salvá-lo gerou comoção global.
     “Nosso pequeno lindo menino se foi, estamos muito orgulhosos de você, Charlie”, disse Connie Yates, MÃE do BEBÊ, segundo o jornal Daily Mail. A mídia local informou que um porta-voz da família confirmou a morte.
     "Todos no Great Ormond Street Hospital enviam suas sinceras condolências aos pais e entes queridos de Charlie neste momento muito triste", disse uma porta-voz do HOSPITAL onde Charlie estava recebendo tratamento.
     Depois de uma BATALHA JUDICIAL que provocou um debate global sobre quem tem o direito moral de decidir o destino de uma criança doente, UM JUIZ ordenou na quinta-feira que Charlie fosse levado para uma clínica onde os aparelhos que o mantinham vivo fossem desligados.
     Yates e o pai do BEBÊ, Chris Gard, queriam que Charlie recebesse um tratamento que nunca havia sido testado em ninguém com sua condição antes, CONTRA as recomendações de “MÉDICOS” em seu hospital em Londres, que disseram que o tratamento não iria beneficiá-lo e iria prolongar seu sofrimento.
     Charlie precisava de aparelhos para respirar e não conseguia ver, ouvir ou engolir.
     O caso atraiu comentários do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que disse no Twitter em 03 de julho que “teríamos o maior prazer” em ajudar Charlie, e do Papa Francisco, que disse que OS PAIS DEVERIAM TER DIREITO de fazer o possível para o tratamento do filho.
     TRIBUNIAS do REINO UNIDO, após ouvirem diversas “EVIDÊNCIAS MÉDICAS”, decidiram que iria contra os melhores interesses de Charlie colocá-lo em terapia experimental de nucleósido, feita pelo professor norte-americano de neurologia Michio Hirano.
     O caso gerou debates acalorados nas redes sociais e na imprensa sobre “ÉTICA MÉDICA”, e a equipe do hospital Great Ormond Street que tratou o BEBÊ sofreu ameaças de morte.
(Reportagem adicional de Estelle Shirbon e David Milliken).





Último capítulo da novela “O DIREITO dos PAIS e O DIREITO de VIVER”.



     A luta contra a debilitante POLIOMIELITE (paralisia infantil) continua, e a luta a favor da inofensiva AUTO-HEMOTERAPIA (AHT), também continua.
      Se DEUS nos permitir voltaremos outro dia ou a qualquer momento. Boa leitura, boa saúde, pensamentos positivos e BOM DIA.
     ARACAJU, capital do Estado de SERGIPE (Ex-PAÍS do FORRÓ e futuro “PAÍS da BOMBA ATÔMICA”), localizado no BRASIL, Ex-PAÍS dos fumantes de CIGARROS e futuro “PAÍS dos MACONHEIROS”. Sábado, 29 de julho de 2017.

Jorge Martins Cardoso – Médico – CREMESE – 573.



     Fontes: (1) – Wikipédia. (2) – OUTRAS FONTES.


jorge martins
Enviado por jorge martins em 29/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras